Comentários sobre “Terra de Sombras”, de Alyson Noël

Livro: Terra de Sombras (vol. 3 da série Os Imortais)
Autora: Alyson Noël
Páginas: 269
Editora: Intrínseca
Nota: 7/10

Ever e Damen viajaram por muitas vidas e combatendo centenas de inimigos, para poder estar juntos. Porém quando seu desejado destino quase está em suas mãos, Damen cai em uma maldição poderosa. Um simples contato entre eles causaria a morte, levando a Damen a Shadowland. Ever desesperada por salvar a Damen, consegue ajuda de um surfista, Jude. Mesmo acabando de conhecê-lo, Jude parece muito familiar. Traindo a Damen, Ever é atraída por José, seus olhos verdes com cabelo loiro e seus poderes mágicos e um passado muito misterioso. Ever sabe que Damen é a sua alma gêmea e nunca o esqueceria. Porém ao passar do tempo, sua conexão com Jude crescerá mais, colocando à prova seu amor por Damen como nunca antes…

ATENÇÃO!!! Os comentários abaixo podem conter spoilers para quem ainda não leu Para Sempre e Lua Azul.

Quando li o primeiro livro dessa série, Para Sempre, eu realmente adorei a história. Ok, concordo quando me dizem que é “mais do mesmo”, e realmente é, mas alguns detalhes chave me chamaram a atenção e me agradaram nesse livro. Vejam bem, o simples fato do “mocinho” do livro não se tratar de um vampiro – e ainda de ele tirar um sarro legal e ironizar o momento que a “mocinha” o questiona sobre ele ser um vampiro, me conquistou. Achei que a Alyson foi ousada ao lançar um livro sobrenatural que não abordasse vampiros, anjos, lobisomens e questões religiosas de céu e inferno. Há, claro, a temática bem x mal, mas de uma forma leve e com uma abordagem completamente diferente. O simples fato de Damen ser “apenas” um imortal, me conquistou. E claro, o fato da autora não abordar nenhuma religião, sem utilizar inclusive de termos batidos como céu e inferno, encarando tudo como energias e nomes fictícios como Summerland e Shadowland, dão um ar de leveza e inovaçao para a série. Preciso também destacar a minha paixão pelas capas dessa série. São todas maravilhosas e a Intrínseca fez muito bem em manter as capas originais.

Entre as pessoas que eu conheço fui uma das poucas que realmente gostou da série, mas confesso que demorei um pouco para seguir a leitura. Só fui ler o segundo volume, Lua Azul quase na época de lançamento do quarto livro da série. O que aconteceu foi que os comentários sobre o segundo volume não me agradaram em nada e todo mundo estava falando que a autora tinha estragado a história. Realmente, Lua Azul é muito fraco em relação ao seu antecessor e chega a ser um desafio chegar ao fim do livro. Mas não porque a história ficou ruim, mas porque somos abandonados única e exclusivamente na companhia da protagonista, Ever. Uma adolescente que consegue fazer tudo completamente errado. Ok, quando somos jovens cometemos muitos erros, somos inconsequentes. Mas acho esse lado adolescente da Ever evidenciado demais. Toda e qualquer atitude errada, que é óbvio que não vai ajudar em nada, só piorar as coisas, que for apresentada à personagem, é a atitude que ela vai julgar certa e acabar seguindo. Não existe o fundo do poço pra Ever, ela sempre consegue piorar a situação e se afundar mais um pouquinho. Acredito que seja esse o motivo dos leitores ficarem com a impressão de que o livro foi ruim, pelo menos foi o que aconteceu comigo. Em um universo literário distante Ever e Bella Swan devem ser muito amigas e competir pra quem consegue ser mais mala.

O que salva a história, e o enredo, tanto de Lua Azul quanto de Terra de Sombras, é o vilão Roman. Ao mesmo tempo que sua descrição física seja de um rapaz maravilhoso, é praticamente impossível ter alguma afeição pelo personagem. A única sensação que ele conseguiu me passar foi de nojo e repulsa – o que, na minha humilde opinião, é exatamente a função de um “vilão”. Outro ponto positivo de Terra de Sombras em relação ao segundo volume é que temos Damen de volta. E mesmo com as particularidades de seu probleminha de não poder encostar em Ever, foi bom ter o personagem de volta, sem estar enfeitiçado. Porém, tudo que é bom dura pouco e do meio do livro pra frente Damen consegue ficar mais chato do que a Ever. Ele acredita que estragou a vida da sua amada e começa a se culpar pro tudo o que fez em relação a Ever nos últimos 600 anos e cisma que o que aconteceu com ele é karma. Mais ou menos o ataque de ‘loucura’ que o Edward tem em Lua Nova antes de sumir, sabe? Aquele tipo de coisa que você sabe que é necessário para o desenvolvimento da história, mas que te irrita de qualquer maneira – e torna impossível de não comparar o livro e seus personagens principais à série Crepúsculo.

Mas em um balanço geral eu gostei muito mais de Terra de Sombras do que de Lua Azul. Achei que a qualidade do enredo melhorou consideravelmente e que os personagens estão mais delineados – e ao mesmo tempo, mais enigmáticos como o personagem inédito que nos é apresentado nesse volume: o surfista (lindo!) Jude. Aos poucos estamos descobrindo mais sobre as vidas passadas de Ever e não só como ela conheceu Damen, mas também, detalhes de suas vidas que nada tinham de relação com Damen. Ah, outra coisa que eu gostei bastante nesse volume foi, mesmo que superficialmente, a presença de Riley, irmã mais nova da Ever que morreu no acidente de carro que matou toda a sua família e sua cachorra. A Riley sempre deu um toque de comédia em Para Sempre e foi muito bom ter ela de “volta”.

Estou um pouco mais animada para prosseguir a minha leitura dessa série agora. O gancho final que a autora deixou foi muito bom e eu espero que o quarto livro, Chama Negra não decaia na qualidade da narrativa e do enredo, como aconteceu com Lua Azul. E que talvez Ever deixe de ser a adolescente chata que faz tempestade num copo d’água. Está na hora de ela amadurecer um pouquinho… não acha não, Alyson?!

Bruna é formada em Filologia Romana, trabalha como revisora, webdesigner freelance e ainda é resenhista do Livros Em Série. Nas horas vagas ela escreve neste blog e resenha livros, seriados e CDs – além de comentar frivolidades relacionadas aos mundos nerd, musical e literário.

2 thoughts on “Comentários sobre “Terra de Sombras”, de Alyson Noël

  1. EU TINHA QUE COMENTAR nesse post, haha! Fui uma daquelas que comprou “Evermore” no escuro, só porque tinha achado a capa bonita e aí amay a história! “Blue Moon” foi uma leitura bem scary, admito. Eu odeio deja vus da Bella, e fiquei com ódio da Ever, pensei: “mano, a Noel podia ter feito melhor”, mas aí até que no fim do livro dei uma animada. Agora tô embaçando para comprar Terrinha pelos motivos que já te disse umas 3454543232 vezes (e que são bem idiotas, ok, haha). Mas fiquei surpresa por ver uma pessoa que gosta de um vilão que dá respulsa. Penso do mesmo jeito que você: vilão ta aí para isso, não só para ser mais bonito e ter mais atitude que o mocinho – ele tem que ser MAU, RUIM, MAQUIAVÉLICO, etc.

    Se um dia eu ler, eu te conto.
    Hahahah! Juro!

    Beijinho, Bruuuuuuuu =D

    • hauhauhauhauhauahuahuahuahuah poxa, vilão tem que ser fdp! E o Roman é isso! Vilão meia boca é fail, tem que ser foda e querer detonar todo mundo, tipo o Valdemar!

      Se quiser emprestado pra ler, me fala! Hahahahaha

      Bjs Priiiii 😀

Leave a Comment